COMO GERAR E COMPARTILHAR ENERGIA ELÉTRICA

Entenda como é possível compartilhar a energia gerada na sua casa.

 

Desde o começo de 2016 os consumidores tiveram sua vida facilitada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Com regras mais flexíveis, ficou fácil gerar sua própria energia através de diferentes processos. Segundo o órgão regulador, o aumento foi superior a 6 mil conexões de consumidores que produzem e compartilham a própria energia: eram 2 mil em 2016, contra 8,3 mil no mesmo período de 2017.

O que explica esse dado é a possibilidade de compartilhar energia, facilitando em muito a vida dos brasileiros. Mas, como gerar e compartilhar energia? Essa dúvida vem aparecendo cada vez mais, por isso, é necessário pontuar como é possível fazer esse processo.


Energia eólica

A força dos ventos pode ser uma ótima opção para você gerar energia elétrica para sua residência ou empresa e ainda distribuir para terceiros. A energia eólica funciona da seguinte maneira: você precisará de um aerogerador, aquele "cata-ventos" gigante, que irá converter a força dos ventos através de um gerador elétrico integrado a estrutura.

Ele é ideal para consumidores residenciais, comércios ou pequenos galpões de indústrias. É necessário que você tenha espaço para instalar ao menos um pequeno sistema eólico. Quanto maior a altura, mais energia será gerada, pois a incidência de ventos é mais elevada. Por isso, é preciso que a área seja aberta, pois árvores e edificações podem diminuir a ação das hélices.

Instalado, você poderá compartilhar a energia com terceiros através do Sistema de Compensação de Energia, estabelecido pela Aneel em 2012. O cálculo aqui é feito através da média mensal de consumo. Para que a energia possa ser compartilhada, há duas opções. A primeira é cooperativa através de um grupo de pessoas que utilizaram a eletricidade gerada pelos ventos. É necessário que haja uma titularidade no consórcio ou cooperativa para que possa ser distribuída a energia de forma regular.

Há, ainda, os condomínios, conjuntos residenciais e edifícios que podem dividir os créditos de energia excedente dos ventos através do Sistema de Compensação. Isso diminuirá a conta de luz dos moradores. A forma da divisão fica a critério da administração do empreendimento.


Energia solar

Outra modalidade para gerar energia é a instalação de painéis solares. A chamada energia fotovoltaica funciona através da captação dos raios emitidos pelo sol, que gerarão eletricidade por placas de silício ou ligas metálicas semicondutoras, posicionadas em direção ao sol. Esta modalidade vem ganhando cada vez mais adeptos e, com a desburocratização recente, pode ser uma ótima opção a ser compartilhada.

Também funcionando no Sistema de Compensação que gera créditos, ela pode abater a tarifa de luz de uma residência e ainda garantir descontos nos meses posteriores. Para compartilhar este tipo de energia, é necessário fazer uma rede compartilhada de microgeração distribuída, com um vínculo junto ao proprietário dos painéis. Na questão de condomínios e afins, o modelo segue o mesmo da energia eólica, podendo ser compartilhada através de pressupostos definidos pela administração do empreendimento.


Outros modelos

Existem opções menos comuns de geração e compartilhamento de energia. A hídrica geralmente é feita por companhias de energia elétrica, então o Sistema de Compensação neste caso é a fatura que chega às suas mãos. A biomassa é todo resíduo orgânico que possa vir a servir como combustível – geralmente em tonéis que extraem os gases – e seu compartilhamento depende das diretrizes das companhias de distribuição. Devido à sua eficiência menos evidente que as demais, pouco se utiliza do compartilhamento de eletricidade nesse caso.

Deixe seu comentário.